RFID na logística: conheça essa nova tecnologia

RFID na logística

Você já ouviu falar sobre as etiquetas RFID? Essa tecnologia é muito usada na logística de empresas, pois ajuda a deixar mais ágil e preciso o controle do estoque e do processo de expedição. Dessa forma, contribui para toda a cadeia de suprimentos da empresa. A Tecnotri já está estudando a tecnologia RFID na logística da empresa, e por isso, criamos este artigo para que você conheça como funciona esse sistema.

Confira agora essa nova tecnologia com a gente:

O que são as etiquetas RFID?

Primeiramente, precisamos conhecer pontualmente essa tecnologia. RFID significa Radio Frequency Identification (traduzido em português para “Identificação por Rádio Frequência”). Esse dispositivo tem a função de identificar individualmente cada produto, e dessa forma, permitindo o rastreamento de cada unidade e registrando as informações técnicas de cada produto. Tudo isso, é claro, através de um pequeno sinal de radiofrequência.

Essa tecnologia é composta por uma antena, que capta as informações; e um microchip, responsável por captar os dados. Esses elementos são protegidos por um transponder (também conhecido como TAG), que pode ter diferentes formatos, apesar de ser constituído por plástico ou silicone.

Em seguida, conheça as maiores vantagens dessa tecnologia.

Quais são as vantagens do RFID na logística?

  • Capacidade de armazenamento, leitura e envio de dados;
  • Rastreamento em tempo real;
  • Prevenção contra roubos e falsificações;
  • Redução e controle do estoque;
  • Agilidade no processo de expedição;
  • Durabilidade e possibilidade de reutilização das etiquetas;
  • Possibilidade de monitoramento de ambientes;
  • Gerenciamento da cadeia de abastecimento;
  • Localização dos itens ainda em processos de busca.

RFID na logística

Principais diferenças entre o código de barras e o RFID na logística:

O código de barras você já deve conhecer: ele vem impresso na superfície da etiqueta. Ele não faz nenhum tipo de detecção e rastreamento dos produtos, e por serem passíveis de rasgos, podem ter uma vida útil muito mais curta. De maneira mais técnica, o código de barras não pode ter nada entre ele e o leitor: ou seja, ambos precisam estar estáticos na hora da leitura. Além disso, só é possível ler um código por vez em cada máquina.

Em contrapartida, as etiquetas RFID possuem muitas diferenças. O código fica gravado dentro do chip, possibilitando a leitura sem haver contato entre o produto e a máquina. Em contraste com o código de barras, o sistema pode ler várias etiquetas simultaneamente, muito mais rápido e com maior distância entre produto e sistema de leitura. Dessa forma, a logística fica mais produtiva e prática.

Aproveite e faça a diferença!

A questão é que poucas empresas fazem uso da tecnologia RFID. A Associação Brasileira de Automação realizou uma pesquisa sobre o uso do código de barras no Brasil, e constatou que 80,6% dos produtos que circulam no mercado têm código de barras. Além disso, 91,6% das empresas que têm produtos para o consumidor final consideram que o uso de código de barras é importante para a venda de seus produtos. Interessante, né?!

Agora que você já conhece bem sobre a tecnologia RFID, que tal ler sobre os principais desafios na logística de distribuição? Nós esperamos que você tenha gostado do conteúdo. Fique de olho no nosso blog e conte o que achou!

O que você achou deste post?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
+ 55 (54) 999 597 996
 
+ 55 (54) 991 693 589
 
+ 55 (54) 991 914 126
×